Mel B – “Visitei o centro de refúgio em Leeds duas vezes por semana e eles ajudaram a reconstruir minha vida”

Com uma xícara de chá na mão, Mel B conversou com um grupo de mães enquanto seus filhos brincam alegremente, os assuntos incluem a espetacular vitória no Euro das Lionesses da Inglaterra e a empolgação de uma garotinha com a visita da fada dos dentes.

Mel parecia tão à vontade que poderia estar sentada em sua própria sala de estar – mas na verdade ela estava em uma visita a um centro de refugiados de abuso doméstico da Women’s Aid em sua cidade natal, Leeds.

A visita coincidiu com o lançamento da “Speak Out Against Domestic Abuse”, uma campanha conjunta entre o The Sun e a instituição de caridade Women’s Aid para destacar como todos podemos fazer nossa parte.

Mel tem visitado regularmente os moradores do abrigo desde que abandonou seu casamento com o produtor de TV americano Stephen Belafonte em 2017. Em seu livro “Brutally Honest”, lançado no ano seguinte, ela escreveu sobre o controle coercitivo que sofreu no relacionamento.

Mel credita aos funcionários de apoio do refúgio – que em certo momento ela visitava duas vezes por semana – por ajudá-la a reconstruir sua vida. Hoje a cantora, que no início deste ano recebeu um MBE por seu trabalho como patrona do Women’s Aid, está lá para destacar a pressão incapacitante que os refúgiados de todo o país enfrentam com a crise do custo de vida.

O The Sun pode revelar novos números chocantes que mostram como as contas crescentes estão tendo um perigoso efeito de duplo golpe. Não só os custos dos refúgios mais do que triplicaram, mas um número crescente de mulheres que se sente presas em relacionamentos abusivos porque se preocupam com o custo de administrar uma casa sozinha.

Em uma pesquisa da Women’s Aid, 96% das mulheres que sofreram abuso no ano passado disseram que a crise do custo de vida teve um impacto negativo em sua situação financeira. E para 73% deles, a crise os impediu de sair ou tornou muito mais difícil fazê-lo.

Mais da metade das mulheres que ainda vivem em relacionamentos abusivos disseram que seus parceiros usaram as preocupações come finanças como uma ferramenta de controle coercitivo.

Mel disse: “Já sabemos que muitas vezes são necessárias sete ou oito tentativas para sair de um relacionamento abusivo. Já é uma luta sair, mas quando você tem mais medo do que nunca em relação ao dinheiro, fica dez vezes mais difícil.”

Quando criança, Mel morava não muito longe do abrigo que agora frequenta e costumava brincar na rua com as crianças que ali encontraram refúgio com suas mães.

Ela disse: “Eu cresci em uma propriedade municipal, meu pai trabalhava 24 horas por dia, 7 dias por semana em uma fábrica e minha mãe trabalhava em três empregos para pagar as contas. Eu sei o que é o dinheiro ser apertado. E para as mulheres que fogem de relacionamentos abusivos, o lado financeiro é um fardo enorme. Chegando a algum lugar como aqui, eles podem dar o primeiro passo. Mas precisamos apoiar esses lugares, que são tão importantes.”

A Women’s Aid está pedindo ao Ministério do Interior que ofereça um Fundo de Apoio de Emergência para Sobreviventes para compensar o impacto da crise do custo de vida. Nik Peasgood, executivo-chefe da Leeds Women’s Aid, explicou a realidade alarmante da situação.

Ela disse: “Os aumentos acentuados nos custos são realmente assustadores. Nossos moradores nos pagam uma taxa muito modesta, que inclui todas as suas contas e impostos municipais e que muitas vezes vem do benefício de moradia. Mas nossas contas, como gás e eletricidade, estão subindo três vezes mais. Não podemos repassar esses custos para os moradores, pois eles não podem pagar. E o tempo que as famílias vivem aqui está ficando cada vez mais longo, porque será um choque se mudar e de repente se deparar com o custo de administrar uma casa.”

Mel B: Se você conhece alguém em sua vida que você teme que esteja passando por isso, é tão importante que eles saibam que podem falar sobre isso.

A executiva-chefe da Women’s Aid, Farah Nazeer, disse ao The Sun: “A atual crise do custo de vida tem sido devastadora para as sobreviventes de abuso doméstico.Sabemos que o abuso doméstico e o abuso econômico andam de mãos dadas, com os agressores geralmente controlando todos os aspectos da vida de uma mulher. Os custos crescentes de energia e alimentos deixarão muitas mulheres mais vulneráveis ​​ao abuso.”

Uma moradora, mãe de quatro filhos, diz a Mel que, embora tenha encontrado segurança no abrigo depois um marido abusivo, ela está lutando para ver como será capaz de ter um futuro independente.

Ela disse: “Na semana passada, pensei em fazer minhas malas e voltar para ele. Este lugar me ofereceu segurança, mas atualmente não tenho emprego. Sonho em ter meu próprio lar, mas no momento não consigo ver como isso vai acontecer. A pior parte é que ele sempre me disse: ‘Você não vai sobreviver sozinha, você não tem emprego, não tem dinheiro’, e no momento eu sinto que está provando que ele estava certo.”

Além de apoiar a campanha Speak Out Against Domestic Abuse, Mel também está pressionando por reformas adicionais.

Isso inclui o pedido de financiamento fornecido no Projeto de Lei das Vítimas, atualmente em tramitação no parlamento, para ser usado para oferecer aconselhamento a mulheres que fugiram de abusos.

Mel B: “Eu ainda sofro de PTSD – se uma porta bater, eu pulo. Ou outro dia eu estava em um evento do showbiz e me assustei som de uma rolha estourando.”

Durante sua visita, Mel é recebida por um rosto amigável que apareceu para dizer olá. É a voluntária da Women’s Aid Sam, que ofereceu seu apoio quando ela deixou o casamento. Mel disse: “Eu vinha duas vezes por semana e conversava sobre tudo com a Sam. Foi tão valioso para mim. Quando você sai de um relacionamento em que teve o controle da sua vida tirado de você e foi cortado o contato com a sua família e perde sua voz, isso o ajuda a reaprender tudo novamente e a recuperar sua confiança. E ainda é um processo em andamento. As mulheres que conheço e converso aqui, suas histórias são a minha história. É um lugar muito curativo.”

De fato, entre as trevas, há histórias reais de esperança. Mel reconhece uma mulher armênia que conheceu em sua primeira visita ao centro, e depois de uma espera de quatro anos, ela finalmente conseguiu sua própria casa.

Mel também conhece uma residente grego que morava no Reino Unido há mais de dez anos preso em um relacionamento abusivo. Ela conta a Mel: “Ele não me deixou aprender inglês, porque se eu não soubesse falar o idioma, como eu poderia pedir ajuda? Desde que moro aqui, aprendi inglês. Uma residente anterior, que é instrutora de direção, me ensinou a dirigir e agora tenho um emprego em uma cafeteria. Eu adoraria ter minha própria cafeteria um dia.”

Mel também quer questões como controle coercitivo e abuso nos relacionamentos seja falado nas escolas. Ela disse: “Pode começar mesmo na adolescência com um namorado policiando o que uma garota está fazendo em seu telefone. Precisamos falar sobre como é o controle coercitivo.”

E ela deseja que todos entendam mais sobre os sinais de abuso e o que podem fazer. Ela disse: “De muitas maneiras, o abuso doméstico ainda é uma questão tabu. Não é apenas uma ‘questão feminina’, é para os homens e para todos. Se você conhece alguém em sua vida que você teme que esteja passando por isso, é tão importante que eles saibam que podem falar sobre isso. Sempre falei porque acredito que é muito importante.”

FOTOS:



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *